Trabalhos Publicados

Histórico de trabalhos realizados pelo Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço do Instituto do Câncer Dr Arnaldo


2007 – 03 A 06 DE SETEMBRO DE 2007 - XXI CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO – FLORIANÓPOLIS:

EVOLUÇÃO DE CARCINOMA EPIDERMÓIDE DE CAVIDADE ORAL

INTRODUÇÃO: Dentre os cânceres de cabeça e pescoço, o de cavidade oral é um dos mais freqüentes, sendo seu estudo importante para obtermos melhores resultados terapêuticos. MÉTODOS: Foram estudados 206 pacientes portadores de câncer de cavidade oral, operados no período de janeiro de 2001 a dezembro de 2006. Havia 45 mulheres ( 21,84%) e 161 homens (78,16%), com idade entre 21 e 83 anos (média de 57,01 anos). Os índices de tabagismo e etilismo eram de 89% ( 183 casos) e 83% (171 casos) respectivamente. O sítio primário mais acometido foi a pelve lingual, seguido de língua oral, Outros sítios com menor incidência foram trígono retromolar, rebordo alveolar inferior e mucosa jugal.Os estádio avançados foram mais incidentes. RESULTADOS: 30% dos pacientes estão vivos sem evidência de doença, em 6 anos de seguimento . CONCLUSÃO: Encontramos ainda hoje alta incidência de estádios avançados de câncer de cavidade oral, o que resulta no alto índice de óbito devido à recorrência tumoral. necessitamos analisar os pacientes que tiveram falha terapêutica para que possamos incrementar as taxas de sobrevida livre de doença e avaliar outras modalidades terapêuticas.

CIRURGIA CRANIOFACIAL: IMPORTÂNCIA DA ABORDAGEM CONJUNTA DA CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO E DA NEUROCIRURGIA
Introdução e Objetivos: As ressecções completas das neoplasias malignas que acometem a base do crânio, osso temporal e a órbita, representam um desafio ao cirurgião. Isto ocorre, porque freqüentemente, tais lesões invadem regiões próximas ao encéfalo e proporcionam grandes defeitos que dificultam a reconstrução. O objetivo deste estudo foi avaliar os casos que necessitaram de uma abordagem craniofacial realizadas conjuntamente, em hospital oncológico, pelas equipes de Cirurgia de Cabeça e Pescoço e Neurocirurgia .Materiais e Métodos: Foram analisados retrospectivamente 23 pacientes submetidos a tratamento craniofacial  entre 2000 e 2005. Resultados e Conclusão: Os pacientes foram submetidos às cirurgias craniofaciais mais freqüentemente por carcinomas basocelulares e epidermóides recidivados em região peri-orbitária e em região auricular estendendo-se para região temporal, carcinoma epidermóide de seio maxilar, e 2 casos de carcinoma adenóide cístico de palato e 1 caso de melanoma nasal recidivado. Os pacientes apresentaram complicações pós-operatórias desde fístula liquórica, deiscência parcial da ferida operatória, convulsão e meningite. A abordagem craniofacial foi importante principalmente para estabelecer a margem cirúrgica livre de tumor que dificilmente seria obtido por uma ressecção extra-craniana.

FARINGOLARINGOESOFAGECTOMIA TOTAL COM RECONSTRUÇÃO IMEDIATA ATRAVÉS DE TRANSPOSIÇÃO DO CÓLON TRANSVERSO: CONTRIBUIÇÕES TÉCNICAS E ANÁLISE DE COMPLICAÇÕES.
Introdução: Reconstrução com tubo gástrico (“gastric pull up”) é a opção normalmente descrita após faringolaringoesofagectomia total. Reconstrução imediata com transposição de cólon é descrita raramente. Os autores reportam resultados de reconstrução imediata através de transposição de cólon transverso em 04 pacientes, com contribuição técnica quanto ao tempo intraabdominal da reconstrução, no sentido de preservar o andar superior do abdômen e estômago de dissecção extensa. Materiais e Método: Entre 2000 e 2006, dois homens e duas mulheres, com idade entre 24 e 62 anos, foram submetidos à faringolaringoesofagectomia total com esvaziamento cervical radical. A reconstrução do tubo digestivo foi imediata através de transposição de cólon transverso. A faringolaringoesofagectomia total foi realizada como descrita rotineiramente. A reconstrução com transposição de cólon transverso foi realizada com ligadura da cólica média e seus ramos, ligadura da cólica direita, sendo a nutrição e drenagem baseadas na artéria mesentérica inferior e arcada de Riolando. O cólon transverso isoperistáltico foi levado à base da língua para anastomose através do mediastino posterior. No tempo abdominal, realiza-se duas anastomoses. A primeira anastomose é entre o cólon transverso e o jejuno, à 15 cm do ângulo  de Treitz, promovendo a entrada do alimento no delgado. Cerca de 3 a 5 cm abaixo dessa anastomose, a luz do cólon transverso é interrompida por uma ligadura com fio grosso de algodão, direcionando o conteúdo alimentar para o jejuno. A segunda anastomose é entre o íleo terminal e o sigmóide.  Resultados: O sítio primário do tumor foi hipofaringe em 03 pacientes e esôfago cervical em 01 paciente. A faringolaringoesofagectomia total foi o tratamento primário em 3 pacientes, sendo tratamento de resgate no paciente portador de tumor de esôfago cervical. Não houveram casos de óbito intraoperatório ou perioperatório. Dois pacientes apresentaram fístula salivar cervical, sendo que um teve resolução da fístula em 15 dias com tratamento clínico e um paciente necessitou de tratamento cirúrgico para correção da fístula. Esse paciente também apresentou sepsis, tratada clinicamente. Os outros dois pacientes evoluíram sem complicações, realimentando via oral em 10 dias. Deiscência da anastomose abdominal (cólon – delgado) ou necrose de cólon não foram observadas nestes pacientes. Todos os pacientes foram reabilitados para a deglutição. Conclusão: Os autores concluem que a reconstrução com transposição de cólon transverso após faringolaringoesofagectomia total apresenta bons resultados quanto à reabilitação para deglutição. As complicações foram comparáveis com outras técnicas de reconstrução. Uma maior casuística é necessária para melhor análise dos dados.

EVOLUÇÃO DOS PACIENTES SUBMETIDOS A GLOSSECTOMIA TOTAL POR CARCINOMA EPIDERMÓIDE NO ICAVC
INTRODUÇÃO: Dentre os cânceres de cabeça e pescoço, o de cavidade oral é um dos mais freqüentes, sendo seu estudo importante para obtermos melhores resultados terapêuticos.Dentre os tratamentos instituídos, a glossectomia total se reserva aos tumores de pelve e língua oral avançados localmente MÉTODOS: Foram estudados 62 pacientes portadores de câncer de cavidade oral, submetidos a glossectomia total no período de janeiro de 2001 a dezembro de 2006 no Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho. Havia 8 mulheres e 54 homens, com idade entre 39 e 80 anos (média de 55,3 anos). Os índices de tabagismo e etilismo eram elevados, de 92% e 85,5% respectivamente. O sítio primário mais acometido foi a  língua oral com 32 pacientes, seguido pela pelve lingual com 30 casos, e somente 01 caso onde a lesão originou-se no rebordo alveolar .Dentre estes pacientes 26 foram submetidos a cirurgia alargada com mandibulectomia e dois pacientes foram submetidos a glossectomia total e laringectomia associada. Os estádios avançados foram mais incidentes, havendo somente 1 caso com estádio II e 5 com estádio 3. A radioterapia foi realizada como adjuvância em 54 casos. RESULTADOS: 29% dos pacientes estão vivos sem evidência de doença. CONCLUSÃO: Encontramos ainda hoje alta incidência de estádios avançados de câncer de cavidade oral, a despeito do tratamento cirúrgico radical, o que resulta no alto índice de óbito devido à recorrência tumoral. Necessitamos analisar os pacientes que tiveram falha terapêutica para que possamos incrementar as taxas de sobrevida livre de doença e avaliar outras modalidades terapêuticas.

EVOLUÇÃO DE CARCINOMA EPIDERMÓIDE DE LARINGE
INTRODUÇÃO: O tratamento de carcinoma de laringe é representado principalmente pela laringectomia total com radioterapia adjuvante. Este estudo analisa as características dos pacientes que se apresentam em nosso meio.MÉTODOS: Pacientes submetidos a laringectomia por câncer de laringe e/ou hipofaringe no período compreendido entre janeiro de 1996 e dezembro de 2006. RESULTADOS: O total analisado foi 382 pacientes, sendo 343 homens e 39 mulheres com faixa etária compreendida entre 33 e 80 anos (média de 57,9 anos), com uma idade mínima de 33 anos e máxima de 80 anos, sendo 343 (89%) tabagistas e 270 (70,6%) etilistas, sendo glote o sítio primário mais acometido . CONCLUSÃO: O carcinoma de laringe é ainda uma doença bastante prevalente no nosso meio, assim como o tabagismo e o etilismo. A laringectomia total seguida ou não da radioterapia ainda é o tratamento de referência em nosso meio, porém necessitamos melhorar a prevenção e o acesso do paciente ao tratamento em estádios mais iniciais, além de estudarmos as diversas possibilidades de composições terapêuticas atualmente discutidas na literatura com o avanço da biologia molecular.

EVOLUÇÃO DO CARCINOMA EPIDERMÓIDE DE OROFARINGE
INTRODUÇÃO: Em estádios precoces do carcinoma de orofaringe, o tratamento radioterápico e cirúrgico são equivalentes com boa sobrevida, porém em estádios mais avançados no qual a sobrevida é baixa, necessitamos realizar uma análise de nossa experiência, para melhorarmos a taxa de sobrevida e a recorrência loco-regional, assim como as metástases à distância. MÉTODOS: Este estudo engloba 105 pacientes com carcinoma epidermóide de orofaringe operados no período de janeiro de 2001 a dezembro de 2006. A idade variou de 34 a 80 anos (média de 56,6 anos), sendo 19 pacientes mulheres e 86 homens. Foi verificado alto índice de tabagismo e etilismo, 89,6% e 75,7% respectivamente. O sítio primário mais acometido foi a tonsila com 43,01% dos pacientes, seguido da base de língua com 25,08% e palato mole com 20,4% e as duas localizações menos acometidos foram a prega palatoglosso e a parede posterior de orofaringe com 6,4% e 4,3% respectivamente. RESULTADOS: Atualmente 56,25% dos pacientes estão vivos sem doença e 43,25% foram a óbito. CONCLUSÃO: Devido ao estádio inicial avançado dos tumores e ao alto índice de metástase cervical foi constatado uma sobrevida ruim. Analisamos portanto, as várias modalidades terapêuticas propostas na literatura, como radioterapia e quimioterapia, concomitantes ou não, neoadjuvantes e adjuvantes.



MANDIBULECTOMIA SEGMENTAR ANTERIOR: TÉCNICA CIRÚRGICA DE MANUTENCÃO DO CONTORNO FACIAL E DA CONTINÊNCIA BUCAL
Introdução: Em pacientes portadores de carcinoma de cavidade oral que requerem mandibulectomia segmentar, a ressecção do seu segmento anterior causa perda de continência bucal pela queda do lábio e um afundamento do contorno facial na região do mento. Para as instituições médicas que possuem uma equipe especializada de reconstrução microcirúrgica, a utilização de fíbula ou crista ilíaca são excelentes opções de reconstrução da arcada mandibular, porém Instituições carentes não possuem estes recursos. Desenvolvemos em nossa Instituição uma técnica simples que nomeamos de “Técnica de Varal Mandibular” com estabilização do coto mandibular para mantermos o contorno facial e a continência bucal. Métodos: A técnica foi utilizada em 12 pacientes portadores de carcinoma epidermóide de pelve lingual que necessitaram realizar pelveglossomandibulectomia (segmento anterior da mandíbula), com esvaziamento cervical bilateral e reconstrução com retalho miofascial ou músculo-cutâneo de peitoral maior. Resultados: Todos os pacientes em que foi utilizado esta técnica apresentaram boa continência bucal, sem perda salivar, sem queda do lábio e manutenção do contorno facial na região do mento com pequeno retro-posicionamento do mento. Conclusão: Em caso da não disponibilidade da reconstrução microcirúrgica a técnica do “Varal mandibular” é uma boa opção para minimizar as seqüelas funcionais decorrentes da mandibulectomia segmentar anterior.

RELATO DE CASO: REABILITAÇÃO DA FALA E DEGLUTIÇÃO PÓS RECONSTRUÇÃO DE LARINGOFARINGECTOMIA TOTAL COM RETALHO PEITORAL
Introdução: A reconstrução do trato digestivo após laringectomia total e faringectomia total apresenta dificuldade técnica cirúrgica e de reabilitação. Neste relato de caso apresentamos uma forma de reconstrução com retalho peitoral músculo-cutâneo. Relato do caso: Paciente A.A.O de 57 anos, sexo feminino e cor branca, foi submetida à laringectomia total e faringectomia total (ressecada toda parede posterior da hipofaringe), esvaziamento cervical bilateral e reconstrução com retalho peitoral músculo-cutâneo sobre a fáscia pré-vertebral, em 06.12.2004. Realizou radioterapia pós-operatória, totalizando uma dose de 5040 cGy. Em 25.07.2005 a paciente realizou endoscopia, na qual foi diagnosticada estenose na linha de sutura entre o retalho e o esôfago (9mm). Havia dúvidas sobre colocação ou não da prótese traqueoesofágica, devido à utilização de retalho peitoral e necessidade de dilatações da área de sutura esôfago-retalho. Foi realizado pela equipe de fonoaudiologia o teste de insuflação, no qual obtivemos um resultado positivo de fonação, pois verificamos um segmento retalho-esofágico vibrante e um bom nível de fluência da voz esofágica. Diante destes resultados e de muita persistência da paciente, optou-se pela colocação da prótese traqueoesofágica, realizada no dia 18.09.2006. A paciente iniciou terapia fonoaudiológica em 15.02.2005, referindo dificuldade para se alimentar com sólidos. Foi realizada a avaliação fonoaudiológica e solicitada a retirada da sonda nasoenteral. A partir da segunda sessão, iniciamos o treino da voz esofágica, mantendo-o por mais nove sessões, mas a paciente não apresentou emissões esofágicas. Logo após a colocação da prótese traqueoesofágica a paciente retornou para fonoterapia e imediatamente apresentou uma voz de qualidade e fluência adequadas. O trabalho foi iniciado com frases funcionais, contagem de números e após cinco sessões já estava sendo realizado leitura de revistas e conversa espontânea. Conclusão: O retalho peitoral músculo-cutâneo suturado diretamente na fáscia pré-vertebral também pode ter bons resultados funcionais em termos de fala e deglutição.


2006 – PRAGA – 3RD WORLD CONGRESS OF INTERNATIONAL FEDERATION OF HEAD AND NECK ONCOLOGIC SOCIETIES

* EVOLUTION OF THE SQUAMOUS CELL CARCINOMA OF THE OROPHARYNX
* HEAD AND NECK SQUAMOUS CELL CARCINOMA : PROTEOMIC ANALYSIS
* EVOLUTION OF THE SQUAMOUS CELL CARCINOMA OF THE ORAL CAVITY
* FOLLOW-UP OF EARLY LARYNGEAL CARCINOMA SUBMITTED TO PARTIAL LARYNGECTOMY
* ADVANCED LARYNX CARCINOMA: FOLLOW-UP AFTER TOTAL LARYNGECTOMY
* PATTERNS OF LYMPHATIC CANCER SPREAD OF SQUAMOUS CELL CARCINOMA OF HEAD AND NECK


2005 – 03 A 06 DE SETEMBRO DE 2005 - XX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO – SALVADOR – BAHIA:

EVOLUÇÃO DE CARCINOMA EPIDERMÓIDE DE CAVIDADE ORAL
INTRODUÇÃO: Dentre os cânceres de cabeça e pescoço, o de cavidade oral é um dos mais freqüentes, sendo seu estudo importante para obtermos melhores resultados terapêuticos. MÉTODOS: Foram estudados 82 pacientes portadores de cãncer de cavidade oral, operados no período de janeiro de 2001 a dezembro de 2003 no Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho. Havia 16 mulheres e 66 homens, com idade entre 32 e 83 anos (média de 57,8 anos). Os índices de tabagismo e etilismo eram de 89% e 81% respectivamente. O sítio primário mais acometido foi a pelve lingual em 37 pacientes (45,1%), seguido de língua oral em 27 pacientes (32,9%). Outros sítios com menor incidência foram trígono retromolar (7 pacientes), rebordo alveolar inferior (6 pacientes), mucosa jugal (3 pacientes), rebordo alveolar superior e palato duro (cada um com 1 paciente). Os estádio avançados foram mais incidentes, 15 estádio III e 48 estádio IV, seguido de 13 estádio II e 6 estádio I. A radioterapia foi realizada como adjuvância em 54 casos, para tratamento da recidiva em 3 casos e como tratamento incial em 2 casos com resgate cirúrgico posterior. RESULTADOS: 52 pacientes estão vivos sem evidência de doença, 3 estão vivos com doença, 20 foram a óbito e 7 encontram-se sem seguimento. CONCLUSÃO: Encontramos ainda hoje alta incidência de estádios avançados de câncer de cavidade oral, o que resulta no alto índice de óbito devido à recorrência tumoral. necessitamos analisar os pacientes que tiveram falha terapêutica para que possamos incrementar as taxas de sobrevida livre de doença e avaliar outras modalidades terapêuticas.

EVOLUÇÃO DO CARCINOMA EPIDERMÓIDE DE LARINGE TRATADOS COM LARINGECTOMIA PARCIAL
INTRODUÇÃO: Os estádios precoces do câncer podem ser tratados por diversas formas terapêuticas, como a radioterapia, cirurgia convencional ou pela microcirurgia de laringe dependendo das características do tumor. Este estudo se propõe a analisar a evolução dos pacientes que foram submetidos à laringectomia parcial, principalmente à laringectomia horizontal supracricoídea. MÉTODOS: Este estudo engloba 31 pacientes portadores de carcinoma epidermóide de laringe, operados no período de fevereiro de 1996 a maio de 2003 no Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho. A idade variou de 44 a 80 anos, com média de idade de 59,74 anos, sendo 2 mulheres e 29 homens. O estadiamento foi de 11 Estádios I, 11 Estádios II, 3 Estádios III e 6 Estádios IV. Foi verificado alto índice de tabagismo (78%) e etilismo (49%). O sítio primário mais acometido foi a glote. A minoria dos pacientes realizou radioterapia adjuvante. Os pacientes foram acompanhados de 14 a 94 meses. RESULTADOS: Atualmente, 7 pacientes foram a óbito (22%). Destes, 2 óbitos não foram relacionados ao tumor; 2 apresentaram recidiva em menos de um ano, sendo uma local e a outra cervical; 2 apresentaram recidiva após 4 anos do tratamento e 1 apresentou segundo tumor primário. CONCLUSÃO: Nota-se boa sobrevida após o tratamento com laringectomia parcial, e concluímos que a mesma constitui uma boa escolha para pacientes portadores de tumores de laringe em estádio precoce.

CARCINOMA AVANÇADO DE LARINGE: EVOLUÇÃO PÓS LARINGECTOMIA TOTAL
INTRODUÇÃO: O tratamento de carcinoma avançado de laringe é representado principalmente pela laringectomia total com radioterapia adjuvante. Este estudo analisa a sobrevida a longo prazo e as características dos pacientes que se apresentam em nosso meio.MÉTODOS: 143 pacientes ,127 homens e 16 mulheres com faixa etária compreendida entre 33 e 73 anos ( média de 57 anos) diagnosticados com câncer de laringe ,96% estádio IV e 4% estádio III, tratados com laringectomia total realizadas no período compreendido entre janeiro de 1996 e dezembro de 2003 no Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho ,com um seguimento de 18 a 102 meses. RESULTADOS: 34% encontram-se vivos sem evidência de doença; 60% foram a óbito sendo a maioria por recidiva locorregional e metástases à distância, 8% destes óbitos estiveram relacionados com um segundo tumor primário, 4 % por intercorrências clínicas no trans e pós-operatório. CONCLUSÃO: O carcinoma avançado de laringe é ainda uma doença bastante prevalente no nosso meio, assim como o tabagismo e o etilismo. A laringectomia total seguida ou não da radioterapia ainda é o tratamento de referência em nosso meio, porém necessitamos melhorar a prevenção e o acesso do paciente ao tratamento em estádios mais iniciais, além de estudarmos as diversas possibilidades de composições terapêuticas atualmente discutidas na literatura com o avanço da biologia molecular.



PADRÃO DE METÁSTASE CERVICAL DO CARCINOMA EPIDERMÓIDE DE CABEÇA E PESCOÇO
INTRODUÇÃO: No tratamento do carcinoma epidermóide de cabeça e pescoço é primordial o conhecimento da disseminação linfonodal cervical do tumor, os níveis preferenciais de cada sítio primário, bilateralidade, metástases microscópicas e extensão extra-capsular. Este estudo propõe-se a analisar estes pontos importantes da mestástase cervical. MÉTODOS: Foram estudados 164 pacientes com carcinoma epidermóide de cabeça e pescoço operados no Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho no período de outubro de 2002 a outubro de 2004. A idade variou de 29 a 89 anos, com uma média de 57,16 anos, 135 eram homens e 29 eram mulheres. A distribuição do sítio primário foi o seguinte: 18 casos de língua oral, 33 de pelve lingual, 13 de rebordo alveolar, 6 de trígono retromolar, 12 de tonsila, 19 de base de língua, 17 de outras localidades da orofaringe, 19 de hipofaringe e 27 de laringe. Apenas 10,36% dos casos eram Estádios I e II. RESULTADOS: Havia linfonodos comprometidos patologicamente em 111 casos distribuídos da seguinte forma: 10 em 18 casos de carcinoma de língua oral, 21 em 33 de pelve lingual, 5 em 13 de rebordo alveolar, 3 em 6 de trígono retromolar, 11 em 12 de tonsila, 18 em 19 de base de língua, 12 em 17 de outras localidades da orofaringe, 16 em 19 de hipofaringe e 15 em 27 de laringe. CONCLUSÃO: Encontrou-se, como esperado, altos índices de metástase cervical em todos os sítios primários, prinicipalmente relacionado a estádios mais avançados.



EVOLUÇÃO DO CARCINOMA EPIDERMÓIDE DE OROFARINGE
INTRODUÇÃO: Em estádios precoces do carcinoma de orofaringe, o tratamento radioterápico e cirúrgico são equivalentes com boa sobrevida, porém em estádios mais avançados no qual a sobrevida é baixa, necessitamos realizar uma análise de nossa experiência, para melhorarmos a taxa de sobrevida e a recorrência loco-regional, assim como as metástases à distância. MÉTODOS: Este estudo engloba 38 pacientes com carcinoma epidermóide de orofaringe operados no período de janeiro de 2001 a dezembro de 2003 no Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho. A idade variou de 40 a 78 anos (média de 57,31 anos), sendo 6 pacientes mulheres e 32 homens. O estadiamento foi de 1 Estádio I, 5 Estádio II, 4 Estádio III e 28 estádio IV. Foi verificado alto índice de tabagismo e etilismo, 86% e 71% respectivamente. O sítio primário mais acometido foi a tonsila com 39,5% dos pacientes, seguido da base de língua e palato mole com 26,3% e as duas localizações menos acometidos foram a prega palatoglosso e a parede posterior de orofaringe com 5,3% e 2,6% respectivamente. A maioria dos pacientes realizaram radioterapia adjuvante (78,94%). RESULTADOS: Os pacientes tiveram acompanhamento de 18 a 54meses, e atualmente 52,26% dos pacientes estão vivos sem doença, 31,58% foram a óbito e 13,16% encontram-se sem seguimento. CONCLUSÃO: Devido ao estádio inicial avançado dos tumores e ao alto índice de metástase cervical foi constatado uma sobrevida ruim. Analisamos portanto, as várias modalidades terapêuticas propostas na literatura, como radioterapia e quimioterapia, concomitantes ou não, neoadjuvantes e adjuvantes.

CARCINOMA EPIDERMÓIDE DE CABEÇA E PESCOÇO: ANÁLISE PROTEÔMICA
O carcinoma espinocelular de cabeça e pescoço é uma neoplasia epitelial maligna que se origina da mucosa da cavidade oral, da laringe e da faringe, sendo a exposição crônica ao tabaco e ao álcool o seu principal fator etiológico. A doença é caracterizada por agressividade local, freqüência elevada de recorrência. As estimativas disponíveis apontam 500.000 casos por ano no mundo e 14 mil casos novos no Brasil em 2005. Diferentes abordagens para análise de diferenças entre células normais e tumorais estão disponíveis, entre elas as de arrays, SAGE e RT-PCR. Entretanto, essas metodologias não fornecem informações sobre o produto final do genoma, o proteoma. O presente trabalho teve como objetivo investigar diferenças entre o perfil protéico do carcinoma espinocelular de cavidade oral e do tecido normal correspondente. As porteínas, obtidas de amostras microdissecadas foram submetidos a eletroforese bidimensional. Os peptídeos diferencialmente expressos entre os tecidos tumorais e os normais foram identificados por espectrometria de massa e comparados com um banco de dados de seqüências de proteínas. Os resultados mostraram diferenças de expressão das proteínas alfa enolase, calgranulina B, galectina 7, cadeias leves 1 e 2 da miosina e tropomiosina beta. Essas proteínas estão associadas com regulação da transcrição, apoptose, sinalização, crescimento e adesão celular e têm sido referidas com níveis alterados em pacientes portadores de carcinomas de cabeça e pescoço e em outros tumores, tais como os de pulmão, mama, ovário e próstata. Após validação, tais proteínas podem representar novos biomarcadores de prognóstico e alvos terapêuticos para tumores de cabeça e pescoço.


2003 – SETEMBRO DE 2003 - XX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO – CURIRTIBA- PARANÁ:

* ANÁLISE DA EXPRESSÃO GÊNICA EM TUMORES DE LARINGE
* MAXILECTOMIA RADICAL POR CARCINOMA ESPINOCELULAR: ANÁLISE DE 16 CASOS
* OSTEOMA DE MAXILA : RELATO DE CASO
* POROCARCINOMA – RELATO DE CASO
* SCHWANOMA DO NERVO TRIGÊMEO: RELATO DE CASO


2002 – 2SD WORLD CONGRESS OF THE INTERANTIONAL FEDERATION OF HEAD AND NECK ONCOLOGIC SOCIETIES -8TH INTERNATIONAL CONGRESS ON ORAL CANCER - RIO DE JANEIRO:

* PARTIAL LARYNGECTOMIES: EVOLUTION AND QUALITY OF LIFE
* ANALYSIS OF LARYNX CARCINOMA USING cDNA MICROARRAYS
* FOLLOW-UP OF PATIENTS AFTER TOTAL AND SUBTOTAL GLOSSECTOMY
* PECTORALIS MAJOR MIOFASCIAL FLAP: RECONSTRUCTION IN GLOSSECTOMIES


2002 – 3RD INTERNATIONAL CONGRESS ON MALFORMATIONS AND RARE TUMORS OF HEAD AND NECK – DEPARTAMENT OF OTORRINOLARYNGOLOGY HEAD AND NECK SURGERY:

* MAXILARY AMELOBLASTOMA: A CASE REPORT
* ADENOID CYSTIC CARCINOMA: A CASE REPORT AND REVIEW OF LITERATURE
* ETHMOIDAL SINUS SQUAMOUS CELL CARCINOMA WITH INVASION OF ORBIT AND FRONTAL LOBE: A CASE REPORT
* MALIGNANT FIBROUS HISTYOCITOMA: A CASE REPORT
* REINCIDENT MALIGNANT NASAL HEMANGIOPERICYTOMA: CASE REPORT AND LITERARTURE REVIEW


2001 - XIX CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO – RECIFE:

* EVOLUÇÃO E QUALIDADE DE VIDA DOS PACIENTES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA HORIZONTAL SUPRACRICOÍDEA POR CARCINOMA DE LARINGE
* EVOLUÇÃO E QUALIDADE DE VIDA DOS PACIENTES SUBMETIDOS A GLOSSECTOMIA TOTAL
* EVOLUÇÃO E QUALIDADE DE VIDA DOS PACIENTES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA PARCIAL POR CARCINOMA DE LARINGE
* CORRELAÇÃO ENTRE O POLIMORFISMO DO CÓDON 72 DO GENE p53 E A PRESENÇA DE DNA DE PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) EM NEOPLASIAS DE CABEÇA E PESCOÇO
* A VOZ NA GLOSSECTOMIA TOTAL: AVALIAÇÃO PERCEPTIVA AUDITIVA E ACÚSTICA


2001 – II CONGRESSO TRIOLÓGICO DE OTORRINOLARINGOLOGIA – RECIFE:

* ANÁLIASE ACÚSTICA DA VOZ MASCULINA CAPATADA NA FARINGE PRÓXIMO À FONTE GLÓTICA


2001 – 24º CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA – SÃO PAULO:

* MUTAÇÕES E POLIMORFISMOS GENÉTICOS EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO
* EVOLUÇÃO E QUALIDADE DE VIDA DOS PACIENTES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA TOTAL POR CARCINOMA DE LARINGE


2000 – 15o CONGRESSO BRASILEIRO DE CANCEROLOGIA – SALVADOR – BAHIA:

* RELATO DE CASO: CARCINOMA ESPINOCELULAR DE MAXILA EM PACIENTE JOVEM E RECONSTRUÇÃO COM PRÓTESE BUCOMAXILO-FACIAL
* OSTEOSSÍNTESE EM MANDÍBULA COM PLACA BIOABSORVÍVEIS ASSOCIADA A TRATAMENTO RADIOTERÁPICO ADJUVANTE
* GLOSSECTOMIA TOTAL: ANÁLISE DE 25 CASOS
* ANÁLISE CITOGENÉTICA MOLECULAR EM LESÕES TIREOIDEANAS
* MUTAÇÕES E POLIFORMISMOS GENÉTICOS EM TUMORES DE CABEÇA E PESCOÇO
* EVOLUÇÃO DOS PACIENTES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA PO CARCINOMA DE LARINGE


2000 – 35º CONGRESSO BRASILEIRO DE OTORRINOLARINGOLOGIA – NATAL – RIO GRANDE DO NORTE:

* GLOSSECTOMIA TOTAL: AVALIAÇÃO DA DEGLUTIÇÃO, FALA E VOZ
* EVOLUÇÃO E QUALIDADE DE VIDA DOS PACIENTES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA POR CARCINOMA DE LARINGE
* LARINGECTOMIA PARCIAL SUPRACRICOÍDEA: AVALIAÇÃO PERCEPTIVA AUDITIVA E ACÚSTICA DA VOZ


1999 - XVIII CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO – BELO HORIZONTE – MINAS GERAIS:

* NOVO MÉTODO PARA AVALIAÇÃO DA VOZ ATRAVÉS DE MICROFONE ENDOSCÓPICO
* AVALIAÇÃO FUNCIONAL DOS PACIENTES SUBMETIDOS A LARINGECTOMIA PARCIAL SUPRACRICOÍDEA
* EVOLUÇÃO DOS TUMORES DE LARINGE E ANÁLISE DO GENE TP53


1999 – 7º CONGRESSO BRASILEIRO DE CIRURGIA DA BASE DO CRÂNIO, 5º CONGRESSO BARSILEIRO DE CIRURGIA CRANIO-MAXILO-FACIAL – RIO DE JANEIRO:

* CARCINOMA ADENÓIDE CÍSITCO DA FOSSA NASAL INFILTRANDO O GÂNGLIO DE GASSER
* LESÕES TUMORAIS DO ÁPICE PETROSO
* METÁSTASE DE NEOPLASIA RENAL MIMETIZANDO PARAGANGLIOMA


1998 – 1ST WORLD CONGRESS ON HEAD AND NECK ONCOLOGY- MADRI, SPAIN:

o P53 AND WAF GENE ANALYSIS IN HEAD AND NECK CANCER
o SUPRACRICOID PARCIAL LARINGECTOMY
o FREY SYNDROME: DIAGNOSIS AND TREATMENT
o ACOUSTIC AND PERCEPTUAL VOICE EVOLUTION AFTER SUPRACRICOID PARTIAL LARINGECTOMY WITH CRICOHIOIDOPEXY

 
Visitante Nº:

Redes Sociais